Diga “Não” ao tráfico de Animais Silvestres!!

7 09 2010

Tráfico de Animais Silvestres

O comércio ilegal de animais silvestres é a terceira atividade clandestina que mais movimenta dinheiro sujo, perdendo apenas para o tráfico de drogas e armas.

O Brasil é um dos principais alvos dos traficantes devido a sua imensa diversidade de peixes, aves, insetos, mamíferos, répteis, anfíbios e outros.

As condições de transporte são péssimas. Muitos morrem antes de chegar ao seu destino final.
Filhotes são retirados das matas, atravessam as fronteiras escondidos nas bagagens de contrabandistas para serem vendidos como mercadoria.

Todos os anos mais de 38 milhões de animais selvagens são retirados ilegalmente de seu hábitat no país, sendo 40% exportados, segundo relatório da Polícia Federal.

O tráfico interno é praticado por caminhoneiros, motoristas de ônibus e viajantes. Já o esquema internacional, envolve grande número de pessoas.

Os animais são capturados ou caçados no Norte, Nordeste e Pantanal, geralmente por pessoas muito pobres, passam por vários intermediários e são vendidos principalmente no eixo Rio-São Paulo ou exportados.

Os animais são traficados para pet shops, colecionadores particulares (priorizam espécies raras e ameaçadas de extinção!) e para fins científicos (cobras, sapos, aranhas…).

Com o desmatamento, muitas espécies entraram para a lista de animais ameaçados de extinção, principalmente na Mata Atlântica. Para mais informações, consulte o site http://www.renctas.org.br da Rede Nacional de Combate ao Tráfico de Animais Silvestres, o MMA, o IBAMA, SOS FAUNA ou a CITIES – Convenção sobre o Comércio Internacional de Espécies da Flora e Fauna Selvagens em Perigo de Extinção.

Segundo o IBAMA, a exploração desordenada do território brasileiro é uma das principais causas de extinção de espécies. O desmatamento e degradação dos ambientes naturais, o avanço da fronteira agrícola, a caça de subsistência e a caça predatória, a venda de produtos e animais procedentes da caça, apanha ou captura ilegais (tráfico) na natureza e a introdução de espécies exóticas em território nacional são fatores que participam de forma efetiva do processo de extinção. Este processo vem crescendo nas últimas duas décadas a medida que a população cresce e os índices de pobreza aumentam.

O que podemos fazer :

Não compre animais silvestres. Ter espécie nativa em cativeiro, sem comprovação da origem do animal, é crime previsto em lei.
Cada indivíduo capturado faz falta ao ambiente e também os descendentes que ele deixa de ter.
Também não compre artesanatos feitos com partes de animais, como penas coloridas.

Seja vigilante. Se presenciar a venda na feira livre ou depósito de tráfico, avise a polícia. Informe dados precisos da ocorrência.
Denúncias ao IBAMA através da Linha Verde Tel. 0800 61 8080.
Se te oferecem um animal na beira da estrada, não compre e repreenda o vendedor dizendo que isso é crime e que ele procure outra atividade que não lhe cause problemas com a lei.

Os pássaros nascem para ser livres e não presos ao stress e tédio do restrito espaço de uma gaiola. Afinal para que foram feitas as asas dos pássaros ?

O animal que vive preso, perde a capacidade de sobreviver e se defender sozinho e não pode ser solto na natureza sem o acompanhamento de um especialista.

Quando decidir ter um animal de estimação, lembre-se que existem milhares de cães e gatos abandonados aguardando a chance de uma adoção. Consulte a prefeitura da sua cidade ou entidades de proteção animal.

Somente a conscientização da população poderá desestimular este comércio ilegal e proteger o direito à vida e liberdade dos animais.

Vamos combater o tráfico de animais silvestres.

Se ninguém compra, ninguém vende, ninguém caça.

Extinção às gaiolas !

Bibliografia:

http://www.natureba.com.br/trafico-animais-silvestres.htm
————————————————————————————————

Animais silvestres em cativeiro

Embora muitos cientistas acreditem que a criação de bichos silvestres em cativeiro seja uma opção de preservar as espécies selvagens, a maioria da comunidade científica concorda que o melhor lugar para esses animais é seu próprio ambiente ou, como se diz entre cientistas, seu habitat.

Por maiores que sejam os cuidados, uma criatura silvestre presa, além de viver infeliz, acaba por desenvolver várias doenças relacionadas ao estresse. Estresse? Isso mesmo. Da mesma maneira que você sente saudade de casa durante uma longa viagem, o animal silvestre sofre o mesmo – com a diferença que ele jamais retornará ao seu lugar de origem.

E não é só: acostumados a espaços quase infinitos, esses seres vivos, quando são promovidos a bichos de estimação, ficam confinados em caixas de vidro, gaiolas, pequenos tanques: estudos comprovam que isso é de enlouquecer para quem, como na canção, nasceu para ser livre.

Bichos de estimação silvestres e falta de conhecimento

Uma senhora entra em um pet shop em busca de um presente para seu neto de 14 anos. O vendedor mostra um belo papagaio-de-peito-roxo. A avó, cheia de boas intenções, leva a ave, uma gaiola com bebedouro e um saco de sementes. O adolescente vibra de felicidade, ao ganhar um animal tão diferente e bonito.

Passada a euforia do momento, a ave engaiolada é colocada na área de serviço. O dono fornece água fresca e ração todos os dias e mantém a gaiola limpa. Após dois meses, o animal começa a apresentar problemas: não quer comer e se torna apático. Pouco a pouco, o papagaio definha e morre.

O jovem proprietário da ave silvestre, sem entender a causa da morte de seu pet, resolve se informar. Descobre, então, que a espécie de seu bicho de estimação tem como habitat matas secas e pinheirais, e necessita de buracos em troncos de árvores para fazer seu ninho. E que esse animal gosta de frutas e sementes – e o garoto lembra que havia dado um pedaço de banana apenas uma vez à ave. Nesse caso, o animal morreu de desnutrição e depressão – papagaios são muito sociáveis e precisam de atenção constante.

A aquisição de animais silvestres, além de ser crime, ainda  sem o prévio conhecimento de seus hábitos e necessidades é uma das maiores causas de sua morte. Sem falar dos casos de abandono puro e simples.

***Animais devem ser livres! Por favor gente, não comprem periquitos, coelhos, cobras, aranhas, ratinhos e nem outro tipo de animal engaiolado. Vocês estarão incentivando o tráfico. Estão ajudando no extermínio desses animais exóticos e lindos, que a natureza os criou para serem livres. Eles não são domésticos! Imagine-se em uma gaiola durante sua vida inteira, como seria? Distante de seu lar e conforto, de alimentos saudáveis, de amigos, de liberdade…Pense nisso!

by EuAmoANatureza

Bibliografia:

http://educacao.uol.com.br/biologia/ult1698u57.jhtm
Anúncios

Ações

Information

One response

11 11 2010
mariana couto

adorei o site.mt bom, tb sou a favor
da liberdade dos animais, se deus fez eles livrem
quem somos nos seres humanos pare querer contrariar
o criador do ceu e da terra.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




%d blogueiros gostam disto: