Eu salvei um passarinho!

28 09 2010

Oi gente, faz tempinho já que fiquei de fazer essa matéria de hoje, e não fiz. Foi no começo desse mês que salvei um filhote de pardal lá em casa.

A história é a seguinte:

Acordei de manhã para trabalhar, eram 7h e pouco. Minha família e eu terminamos o café da manhã, e estávamos de saída, quando meu pai saiu gritando lá na garagem pedindo para pegarmos o gato, que estava com um filhote de passarinho na boca, e ao mesmo tempo correndo para se esconder do meu pai. Foi que eu peguei no pulo meu gato pelo pescoço, ele soltou o passarinho, segurei a nuca dele por um tempo, tranquei lá fora e corri verificar se ainda estava vivo, o bichinho. Meu pai no impulso queria bater no gato rsrsrs, mas temos que entender que os animais tem seus instintos caçadores e eles não tem culpa disso. É a lei da natureza. Ainda bem que olhei o pássaro e ele estava ofegante, com coraçãozinho batendo forte, e meio confuso. De manhã todos saem para trabalhar e não sobra ninguém em casa. Eu não podia deixar aquele filhote morrer de fome. Dito e feito! Arranjei uma caixa de sapatos lá no armário, e coloquei o bicho lá. Sai em cima da hora para trabalhar mas consegui chegar a tempo. É claro que eu levei ele comigo! Não, eu não sou louca! rsrsr eu simplesmente amo demais essas criaturas, como se fossem meus filhos, e não posso deixá-los no abandono.   

Chegando ao trabalho, (depois de tripidar muito aquele carro nas ruas, e a caixinha balançar com ele dentro), coloquei a caixinha em um canto, e sentei para trabalhar. Minha cabeça nao pensava em outra coisa, a não ser no filhote que podia estar morrendo de fome e frio na caixinha sozinho. Deu meia hora, e avisei meu colega de trabalho que eu tinha que sair comprar comida para o passarinho. Estava de carro, e saí voada para alguma loja de ração para aves.

Cheguei lá, o moço da loja examinou o filhote para ver se tinha alguma ferida dos dentes do gato, ou se a asa podia estar quebrada. Nada foi encontrado. Ele estava bem! Ufa!! Pedi uma papinha para filhotes e uma seringa para alimentar, e ele me deu também um antibiótico para o pássaro se recuperar caso estivesse doente, e colocou pó de serra dentro da caixa para aquecê-lo. Já naquele momento, o moço aplicou o remédio para o pássaro ir melhorando.

Voltei ao trabalho, morrendo de dó novamente do passarinho balançando com as tremidas do carro, toda hora eu abria a caixa para ver se ele estava vivo. E ficava falando com ele: “Agüenta firme amigo, estamos chegando e você já vai comer!” rsrsr parecia que ele entendia que eu o queria vivo!

Entrei na sala, e a primeira coisa que fiz foi esquentar a papinha dele no microondas. Peguei ele, e o aninhei em minha mão. Parecia que ele sabia que era comida, e já foi querendo pegar a seringa. Coloquei a papa no bico dele, e ele não quis soltar mais. rsrs alimentei duas vezes e o deixei de canto novamente.

Voltei a trabalhar. Ouvia silêncio profundo na caixa, e toda hora ía dar umas bisbilhotadas. O tempo passou, e fui tentar alimentar ele denovo e o mesmo recusou. Fiquei pensando se a papa estava ruim…afinal, já tinha passado 3 horas e já era para um filhote querer comer denovo. Eu não tinha dado em muita quantidade e sim dei a quantia certa que o moço da loja me informara. Achei estranho isso…mas se ele não quis papa, eu não insisti.

Deu a hora de sair do trabalho, então peguei a caixinha e fomos denovo para o balancê do carro. rsrsrs

Fui direto para a um veterinário ver oque podiam fazer por ele. Não cuidávam de aves mas recomendaram o telefone de uma mulher que atendia nas residências, aves doentes e debilitadas. Pois bem, peguei o cartão dela e fui para casa.

Cheguei em casa, e fui para a cozinha esquentar a papinha novamente, e ele recusou. Coloquei ele em uma gaiola velha que tinha em casa, onde eu colocava os passarinhos que eram quase assassinados pelo meu gato, que eu salvava e tentava cuidar. Ele estava elétrico e até piava.

Comecei a achar estranho, pois faziam horas sem comer e ainda estava tentando bater as asinhas pequenas de um lado para outro, olhando para mim. Tirei-o da gaiola e coloquei em meu colo. Ele agarrou na minha blusa e subiu até o ombro. Se escondeu debaixo dos cabelos como se estivesse brincando. Andei com ele pelo quintal, e depois fiz ele se apoiar em meu dedo. Ele se equilibrava como se estivesse em um puleiro. Eu via o medo dele de cair de lá.

Eu era seu porto seguro naquele momento. Foi então que eu fechei as portas dos quartos, onde o gato dormia e podia aparacer despercebido, e tentei fazê-lo voar entre os sofás da sala. Ele voava um pouquinho e caia no sofá. Tentou 3 vezes e nada de sucesso…

Peguei minha camera fotográfica e tirei fotos dele para guardar de recordação.

Peguei o cartão da veterinária que ía nas residências, e liguei para ela. Eu disse que não podia ficar com ele, não podia cuidar devido ao trabalho e faculdade, e um filhote deve ter os cuidados em horas certas. Ela falou comigo, me indicou que eu o levasse ao escritório do Ibama em minha cidade. Muito longe da minha casa, mas oque eu não faço para salvar a vida de um filhotinho?

Peguei o carro, o coloquei na gaiola e fomos até o Ibama, novamente no carro balançando devido aos buracos das ruas.

Cheguei lá, fui atendida por uma mulher simpática, que acolheu o passarinho em uma gaiola nova com comida e água. Disse que iria cuidar dele para mim e assim que ficasse maior, soltaria no quintal cheio de árvores que tinha atrás do escritório. Fiquei aliviada, minha missão tinha sido concluída.  Deixei-o nas mãos de pessoas de confiança. Eu disse a ela, que quando fosse soltá-lo, me avisasse. Eu não podia deixar de presenciar essa cena linda, de ver um pássaro em liberdade, a salvo, com chance de seguir sua vida.

Enfim, fui embora. Guardei o cartão para que pudesse ter contato com o Ibama.

Os dias se passaram e liguei algumas vezes para saber do passarinho. Ele já estava comendo alpiste, bebendo água e aparentava estar saudável, dizia a veterinária.

Em uma outra semana liguei novamente, e recebi a notícia de que ele havia fugido, quando íam trocar o jornal da gaiola. Fiquei triste de primeira, porque queria ter presenciado um vôo de liberdade, mas feliz por ter salvo a vida dele e por ele ter seguido seu destino.

Fico feliz por Deus ter me dado a chance de ver o quanto é valioso um dia simples, com uma pequena vida dependendo de nós, para continuar seus frutos. Eu cumpri minha missão e sou muito feliz por isso! Alguns devem achar isso perda de tempo, ou uma completa idiotisse. Quem não tem sentimentos e é insensível, critica dessa forma. Agora quem entende o real valor de uma vida, sabe doque estou falando! 

Agradeço ao pessoal do Ibama pela ajuda e a veterinária Toyane por disponibilizar um abrigo para o pardalzinho. Obrigada a todos por ler essa linda história de amizade e esperança. Foi apenas 1 dia. 1 dia que valeu a pena para mim, e meu crescimento na Terra. 1 dia diferente de todos, mas que foi verdadeiro e real.

 

Obrigada!

 

Abraços da Sah!

ps: vou disponibilizar as fotos do pardal para todos verem. Em breve colocarei aqui.

by EuAmoANatureza

Anúncios

Ações

Information

10 responses

17 11 2010
Drieli

Queria pedir ajuda pq to com um filhote de pardal muito pequenino em minha casa … não sei o que dar de comer … nem sei o tempo certo para alimentá~lo novamente.
Por enquanto eu dei miolinho de pão molhado no biquinho dele.
O que devo fazer novamente?

18 11 2010
sahcmira

Olá amiga, vc tem msn? me add e eu vou te ajudar!
bjos

10 12 2010
Fabiana

Sabrina parabéns pelas suas atitudes, assim como vc sou uma grande amante da natureza e atualmente estou tentando salvar um filhote de rolinha. Até um rato que dois cães estavam prestes a pegar um dia eu salvei! Se todos gostassem pelo menos um pouquinho dos bichinhos eu já ficaria mais feliz, só o fato de não fazerem o mal já ajudaria, porque infelizmente poucos são como nós. Bjão!!!!

11 12 2010
sahcmira

Obrigada querida! Adorei saber que você também ajuda os bichinhos! Se tiver um blog ou site, vamos fazer parceria! Se quiser ajuda para salvar seu filhotinho de rolinha eu ajudo! Adorei mesmo saber disso que você é uma pessoa que ama a natureza! Parbéns pela atitude também! bjoss ^^

22 12 2010
Josiane

Oii, achei um filhote de pardal tbm, mas pra resumir a história, ja faz umas 2 semanas e esta indo pra três q estou com ele, estou dando papinha pra ele,que é comprada em pet shop…ele até tenta voar, mas voa em circulo e detalhe ele tem o pescoço meio torto..estou de ferias esse mes entao estou cuidando dele, mas em janeiro ja volto ao serviço e num vai ter ninguem pra cuidar dele..ja falei com minhas primas e elas vao estudar em perido integral tbm nao vai dar pra ficar com ele..sera q mais uma semana ele voa, msm tento o pescoço meio torto?? q faço??

23 12 2010
sahcmira

Olá querida, já respondi em seu e-mail os cuidados que deve ter com seu pássaro. Depois me mande notícias! beijoss!

17 01 2011
gabriela

eu tenho 9 anos e sou amante de animais a…estou com um filhote de pardau ele esta comendo mingau de milho pode dar mais?

17 01 2011
gabriela

responda o mais rapido ossivel tá?

8 02 2011
Cynthia Andrade

Eu necessito de ajuda, Achei um filhote de passarinho no meu quintal, eu penso que seja um pardal, comprei a farinha para fazer a papinha, ele adora, mas isto vai fazer 3 semanas amanhã, ele já começa a voar. Fico triste por ele não ter a sua mãe para lhe ensinar o que comer na natureza.
A minha preocupação é: se está crescendo, qual o alimento que posso dar para ele, e até quando posso ministrar o alimento da papinha, meu receio é ele ficar fraco, já necessitando de outro tipo de alimento.
Ele acha que sou a mãe dele tadinho, quando o solto para tentar voar vem para mim se segura na minha roupa. Fico muito agradecida por uma resposta porque eu amo os animais.
Grata

8 02 2011
sahcmira

Boa noite,
então, estive a ler seu email, vejo que o passarinho se apegou a vc. Normal, dentro de algumas semanas, os filhotes se apegam a quem os alimenta. Tive um pardal assim também…Mas não se preocupe. Solte-o em algum bosque, reserva, zoológico, qualquer lugar cheio de árvore, onde não passe carros, e ele possa voar livremente. Fez a coisa certa, alimentou bem com papinha, e ele cresceu saudável. Não prenda ele jamais. Faz bem em quere soltar. Não fique com medo, triste todos ficamos, nenhuma despedida é boa, mas eu já tive vários passarinhos bebês em casa, que caíram da árvore, se perderam da mãe ou meu gato pegou. Alimento e os solto quando chega a hora. Pode fazer sem medo, que o instinto dele é maior. É selvagem e vai voar pra onde o vento levar. Caso ele insista em voltar a você quando for voar, Deixe-o em um local, e saia de perto, e obeserve ele por uns tempos. Se esconda, e vá embora com a consciencia limpa. Ele verá outros passarinhos iguais a ele comendo outros alimentos, e fará igual. Isso é instinto. Fique tranquila que ele não morrerá de fome. rsrs

Um beijos fica com deus.

Obrigada por ser mais um tesouro nessa Terra em gostar dos animais.

by Sah

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




%d blogueiros gostam disto: