Natal – Você conhece tudo sobre??

8 12 2010

Oii amigos, eu pesquisei em vários sites uma matéria muitooo curiosa sobre o Natal. As simbologias é doque mais gostei. Tem muita coisa aí que eu nem sabia…e é legal aprender isso. Esse ano me interessei mais por essa época Natalina, e resolvi pesquisar sobre ela e passar a vocês as minhas descobertas. Espero que gostem! Leiam, é muito legal! Dessa vez você vai passar um Natal com sua família mais informado e sabendo o real sentido das coisas. ^^

Árvore de natal: saiba mais sobre a tradição do pinheirinho

Um símbolo da vida, a árvore de natal é uma tradição muito mais antiga do que o Cristianismo e não é um costume exclusivo de nenhuma religião em particular. Muito antes da tradição de comemorar o Natal, os egípcios já levavam galhos de palmeiras para dentro de suas casas no dia mais curto do ano, em Dezembro, simbolizando A triunfo da vida sobre a morte.

Os romanos já enfeitavam suas casas com pinheiros durante a Saturnália, um festival de inverno em homenagem a Saturno, o deus da agricultura. Nesta época, religiosos também enfeitavam árvores de carvalho com maçãs douradas para as festividades do Solstício de Inverno. Continue Lendo…

Ceia de Natal

A ceia de natal envolve muitas tradições familiares. Algumas famílias têm suas próprias receitas “secretas” para a ceia de natal, outras comem apenas os pratos natalinos tradicionais, como peru ou chester. ***(mas lembrem-se, oque esses animais tem haver com a sua fome natalina?? essa tradição é cruel na minha opnião! Não precisamos da carne para ter um Natal Feliz! Não seria a data para comemorar o renascimento de Cristo? para que sacrificar seus semelhantes nessa data ou mesmo diariamente?)

Cada país tem em sua ceia de natal algumas peculiaridades. Os russos, por exemplo, evitam a carne e os Jamaicanos usam e abusam das ervilhas em suas receitas para a ceia de natal. (Muito interessante)

Na Alemanha come-se carne de porco. Pratos tradicionais de tempero forte também são muito comuns durante a ceia de natal.

Na Austrália, onde as festividades natalinas acontecem durante o verão, as pessoas costumam fazer a ceia de natal em praias. Na África do Sul, outro país que comemora o natal durante o verão, é comum fazer a ceia de natal em mesas colocadas do lado de fora das casas.

A ceia de natal brasileira incorporou várias receitas locais como a rabanada e o bolinho de bacalhau, que chegou ao país com a colonização portuguesa.

Tradições natalinas: o Natal ao redor do mundo

As tradições envolvidas na comemoração do natal são muito antigas e foram se renovando no decorrer dos séculos. Durante esse tempo algumas culturas acabaram marcando suas festividades natalinas com aspectos regionais. Conheça algumas das tradições natalinas ao redor do mundo: Continue Lendo…

Simbologia

Árvore de Natal: é simbolizada pelo pinheiro e representa a vida renovada, o nascimento.
A decoração da árvore de natal é motivo de muita alegria, principalmente para as crianças. Ela pode ser ornamentada com enfeites de natal diversos, como as tradicionais bolas coloridas, bonecos de neve, estrelas, anjos, papai noel, laços, fitas decoradas e muito mais.
 

Coroa de Advento: Advento quer dizer tempo da chegada. O que era esperado se aproxima, está para acontecer, chegou a hora de se concretizar.

Cada domingo de advento acendemos uma vela na coroa e lembramos:

1ª vela: os profetas do AT que falaram da vinda e profetizaram o seu nascimento;

2ª vela: João batista, o último dos profetas, que preparou o caminho para Jesus;

3ª vela: Jesus Cristo virá para julgar os vivos e os mortos e edificar o seu reino;

4ª vela: Deus está em nosso meio sempre que ouvimos a sua palavra.

A coroa simboliza o fato de Jesus ser Rei.
Os ramos verdes lembram a eternidade de Deus.
 

Velas: representam a boa vontade, elas são usadas para iluminar os caminhos.

É comum utilizar castiçal com algumas velas na mesa onde será preparada a Ceia de natal, pois ali estará presente a luz da vida.
 

Presépio: reproduz o lugar do nascimento de Jesus.
Nele estão representados Jesus, Maria, José, os três Reis Magos, alguns animais e a manjedoura. Jesus deverá ser colocado na manjedoura somente na meia noite do dia 24 de dezembro, simbolizando o momento do seu nascimento.

Estrela no topo do pinheiro: representa a estrela guia que orientou os três Reis Magos até o local do nascimento de Jesus Cristo. As quatro pontas indicam as direções Norte, Sul, Leste e Oeste.

As bolinhas coloridas: representam os frutos e servem para enfeitar as árvores de natal.
Elas podem ser encontradas em diversas cores sendo a dourada, vermelha e prateada as mais utilizadas. Para o Natal de 2010 os decoradores recomendam inovar. Segundo eles, a cor rosa está na moda e você pode aproveitar essa dica para tornar a decoração da sua casa bem original.

Papai Noel: a origem desse personagem surgiu inspirado em São Nicolau, que tinha o hábito de ajudar as famílias mais necessitadas da região em que vivia. O trenó, as renas, a chaminé, a barba branca e as roupas vermelhas, ao longo dos anos, foram adicionados à essa lenda que ficou gravada no imaginário de todos nós e, é assim que o bom velhinho participa das festas de fim de ano no Brasil e no Mundo.

Presentes: a idéia de presentear na noite de Natal foi baseada nos presentes que o Menino Jesus recebeu dos três Reis Magos (Baltazar, Belquior e Gaspar). Segundo a história elas levavam ouro, mirra e incenso para ofertar à Jesus.

Guirlanda: geralmente é pendurada na porta de entrada das casas para representar a presença do menino Jesus. A guirlanda é um símbolo de prosperidade, evolução e recomeço.

É ela que nos recebe de braços abertos dando-nos as boas vindas nas portas das residências nas quais adentramos em época natalina. Porém mais que um simples adorno de porta, a guirlanda é uma peça singular cuja produção retrata o brilho, a alegria e materializam o espírito de cada anjo que nela habita. Que através da alegria do amor impregnados nesta guirlanda,o anjo de cada um de vocês possa abrir portas e caminhos pelos quais vocês sonhem passar.

Sinos: Os sinos emitem sons agradáveis e audíveis à distância, e são tocados em ocasiões geralmente festivas. Fazem parte do campanário das igrejas e também têm uso particular. Servem para enviar mensagens pelo ar. De modo geral, seu toque é festivo. Tocado por ocasião do Natal, nos lembra o fato de termos um Salvador que e fez homem, habitou entre nós e partiu deixando sua mensagem de amor e paz.

Pé de meia: Como já vimos, São Nicolau, precursor do Papai Noel, era de família rica e ajudava os pobres. Na região onde morava havia três moças pobres, que por falta de dote não conseguiam casar. São Nicolau jogou sacos de moedas pela chaminé de suas casas, que seriam usados como dote. Numa das casas, o saco de moedas caiu numa meia que secava na lareira, nascendo o hábito de se colocar presentes no pé de meia. Outra versão diz que o bispo São Nicolau não gostava de ser percebido quando presenteava, motivo pelo qual colocava os presentes nas chaminés das casas. As crianças perceberam seu método e passaram a deixar ali suas meias. Hoje o costume é usar meias ou botinhas com fins decorativos. São feitas de feltro, possuem aplicações ou bordados e se tornaram um símbolo natalino.

Cartões de boas festas: Surgiram, segundo alguns, em 1843, para outros em 1845, época mais aceita, havendo ainda referências ao ano de 1853. Foram criados por um artista plástico inglês, por encomenda de Sir Henry Cole. Este, diretor do Museu Britânico, percebeu que não teria tempo para escrever à mão as felicitações natalinas, que eram moda na época, e mandou fazer um desenho natalino com um espaço onde escrevia breves palavras.

Cores: verde e o vermelho são cores dominantes no Natal. O verde é renovação, esperança, regeneração. O verde das plantas capta a energia solar e pelo processo de fotossíntese a transforma em energia vital. O vermelho está ligado ao fogo e ao poder, tanto que aquecer como de destruir, e também ao amor divino. O dourado também é utilizado, e está associado ao sol, à luz, à sabedoria e principalmente a luz da Ressurreição de Cristo, como uma espécie de transformação do material para o espiritual.

Frutas secas: A apresentação de uma grande variedade de frutos secos no Natal é mais do que uma questão gastronômica.Os frutos secos têm uma ligação muito forte e particular com o solstício do Inverno. Na antiga Roma, eram um presente habitual durante as celebrações eram especialmente apreciados pelas crianças, que os valorizavam quer como brinquedos quer como comida.Os rapazes divertiam-se a jogar a berlinda com eles. Entre as classes sociais mais elevadas, os frutos secos tornavam-se mais especiais por serem cobertos de ouro, e estes frutos secos dourados serviam quer como presentes quer como decorações.Para os romanos, cada tipo de fruto seco tinha um significado especial. As avelãs evitavam a fome, as nozes relacionavam-se com a abundância e prosperidade, as amêndoas protegiam as pessoas dos efeitos da bebida. Por isso, os frutos secos que colocamos à mesa no Natal são mais do que simples alimentos, é um antigo costume romano que promete a ausência de fome, pobreza e protege contra os excessos da bebida.

Panetone: Este foi criado na Itália, mas não se sabe exatamente sua origem. Existem várias versões. De acordo com uma delas, um padeiro de Milão chamado Tone, em aproximadamente 900 d.C., fez um pão e misturou nele alguns ingredientes como frutas secas e nozes. Esse pão fez muito sucesso e ficou conhecido comopane di Tone. Uma segunda versão diz que, entre 1300 e 1400, um italiano, também de Milão, chamado Ughetto, estava apaixonado por uma moça que se chamava Adalgisa e, para poder ficar junto dela, empregou-se na padaria de seu pai. Lá, criou um pão especial que conquistou tanto a filha quanto o pai. E assim o pai de Adalgisa “deu a mão dela” a Ughetto. E uma outra versão conta que um chef di ciusine chamado Gian Galeazzo Visconti, duque de Milão, em 1395 criou um pão diferente para uma festa, e este fez muito sucesso por causa de seu sabor. Mas, independentemente das lendas em torno da história do panetone, ele está sempre presente nas mesas de Natal de todo brasileiro. Cada país tem em sua ceia de natal algumas peculiaridades. Os russos, por exemplo, evitam a carne e os Jamaicanos usam e abusam das ervilhas em suas receitas para a ceia de natal.

Renas: As renas são a ajuda essencial do Pai Natal para a distribuição dos presentes. Fazem parte do imaginário de todos, especialmente das crianças. Em alguns países são atribuídos nomes às renas que puxam o trenó do Pai Natal. Na tradição anglo-saxónica existem oito renas: Dasher, Dancer, Prancer, Vixen, Comet, Cupid, Donder e Blitze. Posteriormente, acrescentou-se uma outra rena de nome Rodolfo, esta tem a particularidade de ter um nariz vermelho que brilha, logo ela é a rena que lidera no trenó. É a rena mais famosa, criada num ambiente de amor e carinho e transformou-se numa rena responsável e segura.
O Pai Natal descobriu por acidente que Rodolfo tinha um nariz que brilhava quando entrou na casa deste para deixar os presentes. Preocupado que o nevoeiro (que já lhe tinha causado imensos atrasos e acidentes) pudesse impedi-lo de distribuir todos os presentes, o Pai Natal pediu a Rodolfo que liderasse as suas renas, tendo-lhe dito no seu regresso que sem ele, na noite passada, eles certamente se teriam perdido.

Missa do Galo: Celebra-se à meia-noite, na passagem do dia 24 para o dia 25 de Dezembro e apareceu no século V, pelas mãos dos católicos romanos. Como se pensa que Jesus terá nascido à meia-noite, a missa deve ser celebrada à meia-noite em ponto. Conta-se também que o galo foi o primeiro animal a presenciar o nascimento de Jesus, por isso ficou com a missão de anunciar ao mundo o nascimento de Cristo, através do seu canto. Por isso chamar-se Missa do Galo e ser uma das referências na festa de Natal dos cristãos.

O boi e o burro: estes animais aquecem o Menino, na madrugada fria e na ausência de carinho da humanidade que recebe em frágil corpo o Criador do Universo. Esta representação que nos chega dos escritos apócrifos é uma linda lenda dos primeiros tempos do cristianismo. Já nos primórdios das festas de Natal mantinha-se a ligação ecológica com todo o mundo vivo. Será um jumento que levará o recém-nascido para o Egipto fugindo da perseguição e um outro asno a fazer Jesus entrar triunfal em Jerusalém antes de sua morte. Estes animais representam o calor da criação que quer ver vivo tudo o que nasce e deve viver.

Bengala de açúcar: A Bengala de Açúcar foi introduzida em 1880 por um fabricante de doces. Ele queria fazer uma bala que representasse os princípios do natal. Ele usou açúcar branco para demonstrar a natureza santa de Jesus. O doce deveria ser duro, representando a firmeza de Jesus, a fundação da igreja bem como a firmeza das promessas de Deus.As listras vermelhas representam o sangue de Jesus derramado na cruz. A forma da bala é uma bengala, como as usadas pelos pastores de ovelhas, pois Jesus é o Bom Pastor. Para completar, se girarmos esta bengala, veremos a letra J, primeira letra do nome Jesus.

Boneco de Neve: O boneco de neve, um dos símbolos do natal, é proveniente da neve existente no hemisfério norte, lugar que exige das pessoas uma convivência maior dentro das casas, e o clima natalino é um momento que proporciona essa convivência, onde as famílias se reúnem para confraternizar.
Em países frios, as crianças saem durante o dia para produzir o boneco de neve. Colocam duas bolas grandes de neve uma sob a outra, um cachecol, uma cenoura para fazer o nariz, um chapéu, laranjas para fazer os olhos e galhos para servir de pés e mãos. Mesmo em países tropicais como o Brasil, o boneco de neve se transformou em peça de decoração de árvore de natal.

Dia dos Reis Magos  

O dia de Reis é uma das festas culturais mais tradicionais no Brasil. Instituída ainda no período colonial pelos portugueses, sob a influência do cristianismo da igreja católica, a festa comemora a anunciação da chegada do novo messias.

Representando a trajetória dos três Reis Magos – Baltazar, Melchior e Gaspar – que a mando de Herodes foram localizar e sacrificar o messias que estava para nascer, estes homens acreditavam que deveriam divulgar o nascimento de Jesus Cristo, o representante de Deus na terra, ao contrario do que lhes foi proposto.

Guiados pela estrela através de muita fé e oração chegaram ao estábulo de uma estalagem na cidade de Belém, onde numa manjedoura na presença de Maria, José e alguns animais, nascia o menino Jesus. Continue Lendo….

Quer saber a tradição da montagem da árvore e fazer? Siga os passos:

Para os gnósticos, a Árvore de Natal tem profunda concordância com as tradições Alquímicas, Cabalísticas e Cósmicas de todas as tradições. Todos os presentes, os enfeites, as cores etc. têm um significado profundo e altamente simbólico.

Portanto, ao se montar a Árvore de Natal, lembre-se de compô-la de acordo com a tradição, criando-a para carregar o ambiente onde ela está com vibrações bastante positivas. Em seguida, algumas dicas para se montar uma Árvore de Natal Gnóstica. Continue Lendo…

Você sabe sobre a Rena de nariz Vermelho? Leia!

A rena Rudolph  surgiu em 1939, quando a cadeia de lojas Montgomery Ward company, com sede em  Chicago, pediu ao seu empregado Robert L. May para criar uma história de Natal para ser oferecida aos seus clientes. As lojas pertencentes à Montgomery Ward todos os anos compravam para oferecer aos seus clientes livros de Natal para colorir, e o departamento de May considerou que a criação e distribuição de cadernetas suas seria uma forma eficaz de diminuir as despesas. May, que tinha uma paixão pela escrita de livros de criança, ficou incumbido da criação dessa caderneta. A história que May criou inspirou-se na história “O Patinho Feio”, mas utilizando como pano de fundo o seu próprio passado (em criança May foi muitas vezes insultado por ser pequeno, tímido e com ar débil). Assim a sua história fala de uma rena que era rejeitada pela sua comunidade pelo simples fato de ter uma anomalia física, um nariz vermelho que reluzia.
Antes  de se chegar ao nome de Rudolph, pensou-se em Rollo e Reginald, mas estes dois foram rejeitados, por exemplo, Reginald foi considerado demasiado britânico.A história de Rudolph foi escrita em verso e conforme May ia criando esses versos, testava-os na sua filha de 4 anos, Barbara. Apesar de Barabara adorar a história, o patrão de May ficou preocupado com o fato da rena ter um nariz vermelho, já que esta é uma figura por vezes associada à bebida e aos alcoólicos, não lhe parecendo a melhor base para uma história infantil. Continue Lendo…

Bibliografia:

http://www.comamor.com.br/simbolos_do_natal.asp
http://www.presentedenatal.com.br/arvore_natal.htm
http://www.gnosisonline.org/magia-cosmica/arvore-de-natal/
http://www.ronaldpsz.net78.net/index.php?p=1_7
http://natalnatal.no.sapo.pt/pag_simbolos/rudolph_criacao.htm
http://www.lusoafrica.net/v2/index.php?option=com_content&view=article&id=697&Itemid=272
http://chacomcroche.blogspot.com/2008/12/smbolos-de-natal-bengalas.html
http://www.brasilescola.com/natal/boneco-neve.htm
http://www.fcc-consultoria.com.br/fcc/listar_noticias_imprimir.asp?Cd_Noticia=21&Cd_Secao=12

Anúncios

Ações

Information

2 responses

16 12 2010
Mercia

Amei as informações. Parabéns.

16 12 2010
sahcmira

Obrigada querida! Espero ter agradado! É porque pesquisei apenas oque eu tinha curiosidade, mas acho que a maioria das pessoas não tinha parado para refletir sobre o verdadeiro significado das festas de Natal! ^^ Agora podem ter uma noção do quanto é cheio de maravilhas!
bjoss

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




%d blogueiros gostam disto: