Minhas ações Boas no Ano 2010!

27 12 2010


***Gente, tava quase esquecendo de postar aqui oque o nosso clube de jeepeiros fez nesse ano de 2010. Arrecadamos cestas básicas e fomos distribuir em várias cidades para pessoas carentes passarem um natal melhor. Fizemos entregas de brinquedos também e sacolinhas surpresas. Foi muito lindo ver o sorriso das crianças carentes e suas famílias receberem tal presente, e pudemos ver os velhinhos de asilos nesse dia também. Foi encantador. Veja a matéria toda que saiu no jornal da minha cidade!

Jeep Clube arrecada mais de 61 toneladas de alimentos para doar 

18/12/2010
Solidariedade ocupa espaço? Certamente, a resposta seria “não”. Porém, ontem, a população bauruense pôde ver cinco carretas lotadas de solidariedade desfilando pela cidade. Tal fato foi a apresentação de tudo que foi arrecadado pelo Jeep Clube e pela campanha “Natal Tamanho Família JC”, promovida pelo Grupo Cidade junto a parceiros e patrocinadores. Foi atingido um recorde com mais de 61 toneladas de alimentos não perecíveis, que serão distribuídos hoje a entidades de Bauru e região.

A carreata para apresentar ao público esse montante foi realizada com muito orgulho na noite de ontem. Nem mesmo a chuva fina foi capaz de esfriar os ânimos dos jipeiros, que acompanhavam as carretas lotadas de alimentos e brinquedos. O percurso começou na Praça Portugal e envolveu movimentadas vias da cidade, como a Rio Branco, Nossa Senhora de Fátima e a Getúlio Vargas.

Das 61,2 toneladas de alimentos arrecadados, foram confeccionadas 4.532 cestas com itens básicos da alimentação. Segundo Uriel de Almeida, integrante do Jeep Clube, apesar da época natalina, o objetivo é realmente melhorar a alimentação das famílias. “Queremos que, pelo menos nesta época, os atendidos possam ter o que comer em casa. Não é propriamente uma cesta com itens natalinos, mas com produtos básicos de alimentação mesmo”, aponta.

As famílias atendidas fazem parte de 96 entidades. Dessas, 65 são de Bauru e o restante é de 13 cidades da região. “Pensamos em distribuir de acordo com as entidades justamente para ajudar somente quem precisa. Desse modo, não iremos cometer injustiça.”

Também serão distribuídos dois mil kits de doces e duas mil bolas. Tudo foi arrecadado pela campanha junto a empresas e pessoas físicas. “A divulgação no JC foi muito importante. Conseguimos muitas doações ‘picadas’ que antes não tínhamos. E isso ajudou a atingir e superar a meta do ano passado, que foi de 4.238 cestas”, informa Uriel.

Também serão doados aproximadamente três mil brinquedos, arrecadados pelo festival “Rock do Bem”, que no início deste mês trouxe shows e bandas à cidade com o objetivo de auxiliar também nas arrecadações.

Tanto a distribuição das cestas quanto dos brinquedos ocorre hoje às 8h no estacionamento do Confiança Max. Lá, as entidades cadastradas de Bauru irão buscar as doações para repassar às respectivas famílias. Em seguida é a vez da região. “Iremos percorrer toda as cidades da região para fazer as doações às entidades. Estamos programando terminar no fim da tarde com um churrasco na prainha de Arealva”, conta.

Segundo Uriel de Almeida, a satisfação de ajudar o próximo sempre foi muito evidente, porém, nessa edição da arrecadação, ele ainda sentiu algo especial entre os jipeiros e as suas próprias famílias. “Podíamos adquirir os kits prontos, porém, preferimos fazer nós mesmos. Nos reunimos para juntar os itens, encher as bolas e tudo que precisava. Para isso, foi a gente (jipeiros), nossos filhos, nossas mulheres. A cada ano sentimos que envolve mais e mais os jipeiros”, conclui.

Solidariedade

O diretor do Grupo Cidade e presidente da Associação Paulista de Jornais (APJ), Renato Delicato Zaiden, ressaltou a importância da arredadação justamente por comprovar a solidariedade da população.

“Mais uma vez a parceria entre o Grupo Cidade e o Jeep Clube deu certo. E, agora, conseguimos um recorde de solidariedade. É uma das maiores arrecadações desse tipo de todos os tempos e isso mostra o poder da união.”

Ainda de acordo com ele, é exatamente essa solidariedade que faz com que a cidade não tenha os problemas sociais agravados. “Bauru é uma cidade solidária. Nesses momentos vemos a força da união. Vemos como a população está disposta a se doar. Melhorar não cabe só ao poder público, mas também a ações solidárias como essa.”

Para o próximo ano, Renato Zaiden espera um aumento ainda maior da solidariedade. “Eu espero que a situação das pessoas melhore para que elas não precisem tanto dessas doações. Porém, espero que, mesmo que a necessidade diminua, a solidariedade continue crescendo.”

Bibliografia:

http://www.jcnet.com.br/detalhe_geral.php?codigo=198094




Eu salvei um passarinho!

28 09 2010

Oi gente, faz tempinho já que fiquei de fazer essa matéria de hoje, e não fiz. Foi no começo desse mês que salvei um filhote de pardal lá em casa.

A história é a seguinte:

Acordei de manhã para trabalhar, eram 7h e pouco. Minha família e eu terminamos o café da manhã, e estávamos de saída, quando meu pai saiu gritando lá na garagem pedindo para pegarmos o gato, que estava com um filhote de passarinho na boca, e ao mesmo tempo correndo para se esconder do meu pai. Foi que eu peguei no pulo meu gato pelo pescoço, ele soltou o passarinho, segurei a nuca dele por um tempo, tranquei lá fora e corri verificar se ainda estava vivo, o bichinho. Meu pai no impulso queria bater no gato rsrsrs, mas temos que entender que os animais tem seus instintos caçadores e eles não tem culpa disso. É a lei da natureza. Ainda bem que olhei o pássaro e ele estava ofegante, com coraçãozinho batendo forte, e meio confuso. De manhã todos saem para trabalhar e não sobra ninguém em casa. Eu não podia deixar aquele filhote morrer de fome. Dito e feito! Arranjei uma caixa de sapatos lá no armário, e coloquei o bicho lá. Sai em cima da hora para trabalhar mas consegui chegar a tempo. É claro que eu levei ele comigo! Não, eu não sou louca! rsrsr eu simplesmente amo demais essas criaturas, como se fossem meus filhos, e não posso deixá-los no abandono.   

Chegando ao trabalho, (depois de tripidar muito aquele carro nas ruas, e a caixinha balançar com ele dentro), coloquei a caixinha em um canto, e sentei para trabalhar. Minha cabeça nao pensava em outra coisa, a não ser no filhote que podia estar morrendo de fome e frio na caixinha sozinho. Deu meia hora, e avisei meu colega de trabalho que eu tinha que sair comprar comida para o passarinho. Estava de carro, e saí voada para alguma loja de ração para aves.

Cheguei lá, o moço da loja examinou o filhote para ver se tinha alguma ferida dos dentes do gato, ou se a asa podia estar quebrada. Nada foi encontrado. Ele estava bem! Ufa!! Pedi uma papinha para filhotes e uma seringa para alimentar, e ele me deu também um antibiótico para o pássaro se recuperar caso estivesse doente, e colocou pó de serra dentro da caixa para aquecê-lo. Já naquele momento, o moço aplicou o remédio para o pássaro ir melhorando.

Voltei ao trabalho, morrendo de dó novamente do passarinho balançando com as tremidas do carro, toda hora eu abria a caixa para ver se ele estava vivo. E ficava falando com ele: “Agüenta firme amigo, estamos chegando e você já vai comer!” rsrsr parecia que ele entendia que eu o queria vivo!

Entrei na sala, e a primeira coisa que fiz foi esquentar a papinha dele no microondas. Peguei ele, e o aninhei em minha mão. Parecia que ele sabia que era comida, e já foi querendo pegar a seringa. Coloquei a papa no bico dele, e ele não quis soltar mais. rsrs alimentei duas vezes e o deixei de canto novamente.

Voltei a trabalhar. Ouvia silêncio profundo na caixa, e toda hora ía dar umas bisbilhotadas. O tempo passou, e fui tentar alimentar ele denovo e o mesmo recusou. Fiquei pensando se a papa estava ruim…afinal, já tinha passado 3 horas e já era para um filhote querer comer denovo. Eu não tinha dado em muita quantidade e sim dei a quantia certa que o moço da loja me informara. Achei estranho isso…mas se ele não quis papa, eu não insisti.

Deu a hora de sair do trabalho, então peguei a caixinha e fomos denovo para o balancê do carro. rsrsrs

Fui direto para a um veterinário ver oque podiam fazer por ele. Não cuidávam de aves mas recomendaram o telefone de uma mulher que atendia nas residências, aves doentes e debilitadas. Pois bem, peguei o cartão dela e fui para casa.

Cheguei em casa, e fui para a cozinha esquentar a papinha novamente, e ele recusou. Coloquei ele em uma gaiola velha que tinha em casa, onde eu colocava os passarinhos que eram quase assassinados pelo meu gato, que eu salvava e tentava cuidar. Ele estava elétrico e até piava.

Comecei a achar estranho, pois faziam horas sem comer e ainda estava tentando bater as asinhas pequenas de um lado para outro, olhando para mim. Tirei-o da gaiola e coloquei em meu colo. Ele agarrou na minha blusa e subiu até o ombro. Se escondeu debaixo dos cabelos como se estivesse brincando. Andei com ele pelo quintal, e depois fiz ele se apoiar em meu dedo. Ele se equilibrava como se estivesse em um puleiro. Eu via o medo dele de cair de lá.

Eu era seu porto seguro naquele momento. Foi então que eu fechei as portas dos quartos, onde o gato dormia e podia aparacer despercebido, e tentei fazê-lo voar entre os sofás da sala. Ele voava um pouquinho e caia no sofá. Tentou 3 vezes e nada de sucesso…

Peguei minha camera fotográfica e tirei fotos dele para guardar de recordação.

Peguei o cartão da veterinária que ía nas residências, e liguei para ela. Eu disse que não podia ficar com ele, não podia cuidar devido ao trabalho e faculdade, e um filhote deve ter os cuidados em horas certas. Ela falou comigo, me indicou que eu o levasse ao escritório do Ibama em minha cidade. Muito longe da minha casa, mas oque eu não faço para salvar a vida de um filhotinho?

Peguei o carro, o coloquei na gaiola e fomos até o Ibama, novamente no carro balançando devido aos buracos das ruas.

Cheguei lá, fui atendida por uma mulher simpática, que acolheu o passarinho em uma gaiola nova com comida e água. Disse que iria cuidar dele para mim e assim que ficasse maior, soltaria no quintal cheio de árvores que tinha atrás do escritório. Fiquei aliviada, minha missão tinha sido concluída.  Deixei-o nas mãos de pessoas de confiança. Eu disse a ela, que quando fosse soltá-lo, me avisasse. Eu não podia deixar de presenciar essa cena linda, de ver um pássaro em liberdade, a salvo, com chance de seguir sua vida.

Enfim, fui embora. Guardei o cartão para que pudesse ter contato com o Ibama.

Os dias se passaram e liguei algumas vezes para saber do passarinho. Ele já estava comendo alpiste, bebendo água e aparentava estar saudável, dizia a veterinária.

Em uma outra semana liguei novamente, e recebi a notícia de que ele havia fugido, quando íam trocar o jornal da gaiola. Fiquei triste de primeira, porque queria ter presenciado um vôo de liberdade, mas feliz por ter salvo a vida dele e por ele ter seguido seu destino.

Fico feliz por Deus ter me dado a chance de ver o quanto é valioso um dia simples, com uma pequena vida dependendo de nós, para continuar seus frutos. Eu cumpri minha missão e sou muito feliz por isso! Alguns devem achar isso perda de tempo, ou uma completa idiotisse. Quem não tem sentimentos e é insensível, critica dessa forma. Agora quem entende o real valor de uma vida, sabe doque estou falando! 

Agradeço ao pessoal do Ibama pela ajuda e a veterinária Toyane por disponibilizar um abrigo para o pardalzinho. Obrigada a todos por ler essa linda história de amizade e esperança. Foi apenas 1 dia. 1 dia que valeu a pena para mim, e meu crescimento na Terra. 1 dia diferente de todos, mas que foi verdadeiro e real.

 

Obrigada!

 

Abraços da Sah!

ps: vou disponibilizar as fotos do pardal para todos verem. Em breve colocarei aqui.

by EuAmoANatureza





Terrário – Experiência Escolar

30 08 2010

Como é importante compreender o funcionamento da natureza ao observar, dia a dia, a movimentação dos animais na terra, o crescimento das plantas e o ciclo da água. Como podemos observar isso?? Simples! Montando um terrário. Terrário?? O que é isso? É um recipiente de vidro com pedras, carvão, terra e plantas que permite observar o funcionamento do mundo natural através das paredes transparentes do recipiente, que com certeza a maioria das crianças já fez um nas aulas de Ciências, na escola.

Em um terrário devemos controlar a temperatura, umidade, iluminação e ventilação, além dos cuidados próprios com a parte aquática, quando esta existir.

Podemos inserir bichinhos, como formigas, joaninhas e minhocas.

Igualmente existem várias modalidades de terrários destinados a animais de clima frio e temperado, pouco comuns no Brasil. Nessa categoria podemos citar os seguintes exemplos: aquaterrário temperado, terrário de clima seco e temperado e terrário úmido temperado.

O terrário permite explorar, desde as primeiras séries, os cinco passos de uma investigação científica: observação, registro, questionamento, experimentação e conclusão. É testando e comprovando que as crianças fazem ciência exatamente como os cientistas.

Mais que a importância de os alunos observarem e levantarem hipóteses, os professores aprenderam que discutir, argumentar, ler e escrever são atividades a ser exploradas nas aulas de Ciências. Como? Nas discussões para a resolução de uma situação-problema e nos registros do experimento, por exemplo. Para que as crianças descubram o mundo ao seu redor, o ideal é que o primeiro contato com os conceitos naturais aconteça de maneira divertida, investigativa e planejada. Memorizar fatos isolados, fórmulas e termos técnicos, portanto, não funciona mais como estratégia de ensino. A garotada precisa de tempo e de oportunidade para observar, testar e trilhar caminhos errados.

Ih, choveu no terrário! De onde veio a água?

Como funciona a vida? O que mantém plantas e animais vivos? Quando e como os seres humanos devem interferir na natureza?

Se o terrário fica aberto: o solo seca, as plantas murcham e os bichos fogem ou morrem. Enquanto isso, o terrário fechado com plástico transparente fica com as paredes embaçadas, a terra úmida e as plantas molhadas.
Aí vem a pergunta: se ninguém rega as plantas, de onde vem aquela água, aquelas gotinhas do papel filme? a “chuva” (gotinhas no papel filme) é causada pelos fenômenos da condensação e evaporação da água armazenada na terra e da transpiração das plantas.

***Entenda mais sobre o ciclo da água na Terra, acessando esse site excelente! Amei ele gente: Super fácil de entender e divertido! para todos os públicos! http://www.cricketdesign.com.br/abril/ciclodaagua/

Estudo do solo: a cor e a textura que a terra tem

Para aprender mais sobre o funcionamento desse micro-mundo que é o terrário, é preciso estudar um precioso elemento: o solo. O solo pode ser arenoso, argiloso e humoso.

A interferência humana na natureza pode ser positiva

Com o terrário, a natureza funciona normalmente sem a interferência humana. Então, quando e como essa interferência deve acontecer? usar restos de comida da cozinha para produzir um solo rico em nutrientes para o desenvolvimento dos vegetais.

A educação científica contribui para a formação de cidadãos responsáveis com o meio ambiente. Só um ensino prático e contextualizado possibilita isso!. Tudo simples, barato e replicável em muitas escolas brasileiras.

Você sabia?

Em um TERRÁRIO reproduz-se a atmosfera quente e úmida das florestas tropicais, proporcionando às plantas condições ambientais favoráveis ao seu desenvolvimento e se tornem auto-suficientes, uma vez que a água e os nutrientes são constantemente reciclados. A água através da transpiração das folhas e da evaporação se condensa sobre as paredes de vidro, de onde escorrem de volta para a terra sendo novamente absorvidas pelas plantas. As regas são pouco freqüentes, uma vez que o TERRÁRIO permanece fechado a maior parte do tempo, não sendo necessário mão-de-obra para sua manutenção e conservação, e que irá fazer parte da decoração de sua residência por vários anos.

COMO CUIDAR: Ao adquirir seu terrário coloque-o em local iluminado, porém Sem incidência direta de sol, pois as plantas podem murchar. Para limpá-lo Utilize um chumaço de algodão enrolado na ponta de uma varinha. Só coloque Água novamente se observar que não está ocorrendo evaporação com Condensação de gotas na parede do terrário.

Quero fazer um!! O que devo ter em mãos?

Simples e fácil! Aqui vão alguns materiais usados para o Terrário!

Você pode usar qualquer recipiente que seja transparente: um aquário(se faz tempo que não há mais peixinhos e ficou lá guardado sem utilidade), um garrafão de vidro ou plástico(aqueles galões de água menores e transparentes). Aqui está o procedimento com todo o cuidado:

• Lave o recipiente com água e sabão para eliminar os resíduos que possam estar grudados em volta.
• Desinfete-o bem com um pano banhado em álcool. Assim, não corre-se o risco de haver desequilíbrio no ambiente interno, por causa de proliferação de bactérias e fungos.

Depois da limpeza do recipiente, siga as regras:

• Coloque no fundo do recipiente uma camada de dois dedos com pedrinhas de aquário; uma camada de terra por cima delas e cubra novamente a terra com areia.
• Para evitar que o terrário exale um odor desagradável, espalhe alguns pedaços de carvão vegetal, por cima da areia.
• Lembre-se de colocar terra vegetal: é a camada mais importante do terrário. Ela deve ter mais ou menos 4 cm de profundidade e ser recoberta, finalmente, com uma camada fina de pó de xaxim(opcional).

-Coloque bichinhos tipo: tatu bola, joaninhas, grilo, minhocas, centopéia. Se for prefirir formigas, é só formigas, sem mais animais convivendo junto. Mais para frente colocarei uma matéria sobre fazer formigueiro em casa.

-Lembre-se também de colocar uma tampa de garrafão meio funda com água para umidecer o ambiente fechado do terrário, ou um copo plástico cortado ao meio com água, para fazer de lago no terrário.

-Não se esqueça do papel filme e fita crepe. Após colocar tudo e todos plantados e acomodados, tampe com papel filme o terrário e grude com fita crepe ou durex para tampar bem.

-Coloque o terrário em um lugar que tenha pouca luz. Não pode ter muito senão murcha as plantas e seca o solo, e não pode ter muita sombra, senão não há fotossíntese das plantinhas, e não haverá consequentemente, a chuva.

Que plantas escolher?

Você pode colocar no seu terrário pequenas plantas e musgos variados. Prefira plantas que resistem mais a ausência de água, pois não é sempre que terá água para elas. O importante é manter-se atento para que não lhes falte água e luz em quantidade suficiente. Escolha mudinhas de suas plantas prediletas, dando preferência àquelas que apreciam solo úmido e temperatura constante – pequenas samambaias, heras, musgos, avencas. Preste atenção para não quebrar as raízes na hora de plantá-las.

DICA: Plantas com pequenas folhas são indicadas: têm boa resistência e podem crescer bem. Espalhar folhas secas ou frescas pelo terrário é uma boa, pois as formigas e outros insetos podem se esconder, ou servir de abrigo.

CUIDADO: Não coloque no terrário espécies que não gostam de água, como cactos, ou plantas com raízes muito grandes.

Cada planta tem sua preferência por um tipo de solo. Assim, se você plantar uma espécie vegetal num solo que não lhe agrada, ela certamente morrerá. Essa é a primeira lição que a natureza nos dá. Antes dê uma pesquisada na internet sobre plantas ou converse com um especialista de alguma floricultura e pergunte sobre solo adequado para tais plantas.

Cuidados Básicos

Para que os bichinhos e as plantas do seu terrário vivam por bastante tempo, você tem de se manter atento. Observe, por exemplo, se as espécies vegetais não estão amarelando ou murchando e se os animais permanecem em atividade. Geralmente é adequado escolher apenas um tipo de bicho, pois é o mesmo que você colocar uma lagartixa com joaninhas. Elas vão desaparecer dentro de um dia. Prefira um tipo só.

Achar o ponto de equilíbrio entre o ambiente e os seres vivos: isto é uma lição de Ciência!
Se uma espécie vegetal começar a murchar, é sinal de que não está se adaptando a esse microssistema. O mesmo acontece com os insetos que permanecem imóveis.

Se você sentir que algo está errado no terrário, não hesite em abri-lo e devolver as espécies para o lugar de onde você as tirou. Assim, talvez elas tenham uma chance de sobreviver.

***Vamos fazer um terrário de estimação gente! É um Mini-Mundo!! Ver a natureza crescer perto de você é o máximo. E olhar as coisas no vidro com lupa, é demais! Eu já fiz terrário na escola, por isso quis passar essa matéria para vocês. Foi muito legal a época em que descobria tudo isso. Ficávamos muito próximos da natureza. Pena que crescemos e perdemos nossa pureza de ver as coisas e amá-las não importando as diferenças. Para nós a natureza era linda e perfeita. Hoje não passa de meras paisagens na tela do computador. Vamos refletir! Se as escolas não mais ensinarem essa proximidade com a natureza, exijam este ensino aos seus filhos, para que eles possam ter opção na vida de amar aquilo que Deus lhes deu tão rico e perfeito. Obrigada!

by EuAmoANatureza

Bibliografia:

http://revistaescola.abril.com.br/ciencias/pratica-pedagogica/terrario-pedaco-natureza-426134.shtml
http://pt.wikipedia.org/wiki/Terr%C3%A1rio
http://diversidadedavida.zip.net/
http://www.cricketdesign.com.br/abril/ciclodaagua/
http://profaline-ciencias.blogspot.com/2009/04/como-fazer-um-terrario.html




Meu Bicho Virtual

25 08 2010

***Essa é a Suzie! É minha tartaruguinha virtual!
Linda demais! ^^

Gente eu amo a tartaruga! Tem gente que acha sem graça porque é um bicho lento e que não há diferença se você está perto ou está ausente para ele. heheh São bichos mais independentes, que não tem muita ligação com o ser humano.
Mas não me importo, eu as amo muito mesmo assim! São criaturas maravilhosas, de detalhes nas cores dos cascos e pele, cabeça, patas, enfim…São bichos adoráveis que embelezam a natureza. São belas quando tomam sol, e quando nadam, parece que fazem balé com a sincronia de suas patinhas.

Adorei esse site onde podemos adotar um pet virtual! Pelo menos, nas horas em que não os temos por perto, podemos relembrar deles e cuidar como se fossem nossos.

O site está na parte do lago azul da casa da tartaruguinha. Clique lá!

E ela está aqui para que todos possam brincar com ela!

Como brincar:

– Pode clicar em cima do casco dela que ela se esconde!

– Pode alimentar com a michoquinha escondida, clicando primeiro no lago para a tartaruga descer, e clique na minhoca colocando-a exatamete na boca da Suzie. Pode alimentar mais vezes!

Vídeos do VodPod não estão mais disponíveis.

by EuAmoANatureza





Feijãozinho?! Quem não plantou ainda??

2 08 2010

Faz uns 4 dias que plantei 3 feijãozinhos em uma taça de sorvete em casa. Sabe como é né…as vezes agente fica querendo voltar no tempo de criança, quando tudo era novidade e surpresas…
Bateu aquela saudade de ver feijãozinhos brotarem do algodão umidecido. Não perdi tempo. Peguei a taça e coloquei dois chumacinhos de algodão. Abri o saco de feijão que estava lá, e peguei 3 deles. Antes conversei com eles (não, eu não sou louca rsrsrs) simplesmente gosto de estar em contato com tudo que é da natureza, e sei que ela tem sentimento. Transmiti meus sentimentos para aquelas pequeninas sementes colocadas ali no algodão já umidecido. E deixei perto da janela. Todos os dias umidecia um pouco e observava a mudança. Nada ocorreu durante uns 3 dias. Ficaram lá estáticos apenas com a cor mais clara doque antes. Comecei a achar que não brotariam mais. Mas continuei a esperar… lembro-me que era infalível na escola, porque não haveria de brotar comigo mais crescida? rsrsr
Ontem fui lá ver e finalmente havia crescido raízes!!!! Dois feijãozinhos já estavam se abrindo da casca e um ainda estava com a raiz dentro dele. Fiquei alegre e continuei a cuidar. Eu não sou uma criança, mas meu coração sempre será de uma. Um coração puro e que não se esqueceu de seus pequenos gestos com a natureza. Eu trabalho, namoro, faço faculdade como todos, e quem achar careta esse gesto que eu fiz, é porque não tem coração e muito menos sentimento e sensibilidade pela beleza natural das coisas pequenas. É lindo ver aquilo que você dedicou dia após dia sem esquecer de cuidar, e esperar ver crescer. É nobre esse gesto. Você ajudou uma sementinha a ter vida.

E se você também ficou com vontade de relembrar os tempos escolares na aula de ciências, aí estão os ingredientes:

1. Pegue uma taça de sorvete, ou copo baixo e pequeno de vidro;
2. Pegue 2 chumaços de algodão;
3. Pegue 2 ou 3 feijãozinhos do saco que compra no mecado mesmo (qualquer marca rsrsrs);

Modo de preparo:
Coloque um chumacinho abaixo no fundo da taça, e preencha em cima com os feijõezinhos meio separados um do outro. Cubra-os com outro chumacinho por cima e regue com algumas gotinhas de água. Não enxarque  a taça. Apenas certifique-se de que o chumacinho está molhado. Deixe os feijõezinhos brotarem com o passar dos dias, regando todos os dias uma só vez. Quando já se levantarem e passarem pra fora da taça, plante-os em um vazinho com terra boa de jardim. E assim nascerão mais feijõezinhos lindos!!
Obrigada pela compreensão. Vou postar fotos dos meus 3 feijãozinhos para todos verem como ficou.