Iemanjá, a Rainha do Mar. Já ouviu falar?

17 12 2010

***Oi gente! Com certeza alguém já ouviu falar da Rainha do Mar, quando vai á praia e muitas vezes de final de ano se vê pessoas jogando oferendas para o mar, no intuito de ofertar a Rainha. Eu mesma já ofertei uma rosa branca para Yemanjá, mas não sabendo o por que de tal atitude, apenas imitando as outras pessoas. Mas com minha curiosidade mórbida, rsrs fui atrás para conhecer a história da mãe do mar! Eu amoo as águas salgadas, a biodiversidade que existe dentro e a beleza e infinitude que Deus criou. É maravilhoso estar em contato com a água,  com algo tão imenso…e saber que nisso existe essa história linda! Leiam.


Algumas características da Rainha:

Dia: Sábado.

Data: 2 de fevereiro.

Metal: Prata e prateados.

Cor: Prata transparente, azul, verde água e branco.

Comid: Manjar branco, acaçá, peixe de água salgada, bolo de arroz, ebôya, ebô e vários tipos de furá.

Arquétipo dos seus filhos: Voluntarioso, fortes, rigorosos, protetores, caridosos, solidários em extremo, ingênuos, amigo, tímido, vaidosos com os cabelos principalmente, altivos, temperamentais, algumas vezes impetuosos e dominadores, e tem um certo medo do mar.

Símbolos: Abebé prateado, alfange, agadá, obé, peixe, couraça, adê, braceletes, e pulseiras.

Para os iorubás tradicionais e os seguidores de sua religião nas Américas, orixás são deuses que receberam de Olodumare ou Olorum, a incumbência de criar e governar o mundo, ficando cada um deles responsável por alguns aspectos da natureza e certas dimensões da vida em sociedade e da condição humana. Iemanjá, a senhora das grande águas, mãe dos deuses, dos homens e dos peixes, aquela que rege o equilíbrio emocional e a loucura, talvez o orixá mais conhecido no Brasil. É uma das mães primordiais e está presente em muitos mitos que falam da criação do mundo.

No Brasil, ganhou soberania dos mares e dos oceanos, regidos na África por Olocum, orixá esquecido no Brasil. Também no mar é Ajê Xalugá, de culto inexistente no Brasil, mas lembrada em candomblés que cultivam a busca de raízes culturais, antigo orixá regente da conquista da riqueza, da prosperidade material, dos negócios lucrativos. O culto a Iemanjá na África está associado ao rio Níger e pode ser observado no âmbito da celebração de divindades femininas primordiais, as Iá Mi Oxorongá, literalmente, nossas mães ancestrais, donas de todo conhecimento e senhoras do feitiço, representantes da ancestralidade feminina da humanidade, as nossas maãs feiticeiras, que entre nós são lembradas muito discretamente em ritos aos antepassados celebrados em velhos candomblés.

Em Salvador, ocorre anualmente, no dia 2 de Fevereiro, uma das maiores festas do país em homenagem à  Nossa Senhora dos Navegantes, a “Rainha do Mar” ( no Candomblé ). A celebração envolve milhares de pessoas que, trajadas de branco, saem em procissão até ao templo-mor, localizado próximo à foz do rio Vermelho, onde depositam variedades de oferendas, tais como espelhos, bijuterias, comidas, perfumes e toda sorte de agrados. Outra festa importante dedicada a Iemanjá ( na Umbanda ) ocorre durante a passagem de ano no Rio de Janeiro. Milhares de pessoas comparecem e depositam no mar oferendas para a divindade. A celebração também inclui o tradicional “banho de pipoca” e as sete ondas que os fiéis, ou até mesmo seguidores de outras religiões, pulam como forma de pedir sorte à Orixá. Então, o que está esperando? Faça o seu pedido e coloque no barquinho.

………………………………………………………………………………………………………………….

Segundo a lenda, Olodumare-Olofim vivia só no Infinito, cercado apenas de fogo, chama e vapores, onde quase nem  podia caminhar. Cansado desse seu universo tenebroso, cansado de não ter com quem brigar, decidiu pôr fim àquela situação. Libertou as suas forças e a violência delas fez jorrar uma tormenta de águas. As águas debateram-se com rochas que nasciam e abriram no chão profundas e grandes cavidades. A água encheu as fendas ocas, fazendo-se mares e oceanos, em cujas profundezas Olocum foi habitar. Do que sobrou da inundação se fez a terra. Na superfície do mar, junto à terra, ali tomou seu reino Iemanjá, com suas algas e estrelas-do-mar, peixes, corais, conchas, madrepérolas. Ali nasceu Iemanjá em prata e azul, coroaca pelo arco-íris, mãe dos orixás, denominaram o fogo no fundo da Terra e o entregaram ao poder de Aganju, o mestre dos vulcões, por onde ainda respira o fogo aprisionado. O fogo se consumia na superfície do mundo eles apagaram e com suas cinzas Orixá Ocô fertilizou os campos, propiciando o nascimento das ervas, frutos, árvores, bosques, florestas, que foram dados aos cuidados de Ossaim. Nos lugares onde as cinzas foram escassas, nasceram os pântanos e nos pântanos, a peste, que foi doada pela mãe dos orixás ao filho Omulu. Iemanjá encantou-se com a Terra e a enfeitou com os rios, cascatas e lagoas. Assim surgiu Oxum, dona das águas doces. Quando tudo estava feito e cada natureza se encontrava na posse de um dos filhos de Iemanjá, Obatalá, respondendo diretamente às ordem de Olorum, criou o ser humano. E do ser humano povoou a Terra. E os orixás pelos humanos foram celebrados.

RITUAL DE YEMANJÁ

Para ser abençoado pela rainha do mar e atrair muito sucesso, vá até a praia num sábado e entregue nas águas um barquinho de isopor contendo algumas maçãs, uvas, um mamão, sete rosas brancas, um vidro de pergume de alfazema e um espelho. Junto das oferendas, coloque um papel com todos seus pedidos por escrito. Depois, abra uma champanhe e despeje o líquido por todo seu corpo, enquanto repete seus pedidos em voz alta. Por fim, lave-se nas águas do mar. Que  diferente esse ritual né? Porém na minha opnião, não é preciso ficar sujando o mar com essas tranqueiras. Eu vou no máximo ofertar rosas brancas! rsrs Isopor é muito prejudicial ao meio ambiente e essas tralhas também que vão dentro do barquinho, mas o que é fé não se discute! Mas se puderem, não sacrifiquem animais para ofertar Iemanjá em tais rituais, tenho certeza que a rainha vai trazer ondas de sucesso apenas a quem faz o bem a natureza! Mas uma coisa é certa: De uma possível tsunami agente não escapa! Infelizmente a natureza já aguentou o suficiente do ser humano e sua rebeldia…

Bjoss a todos!

Assista a um Belo Clipe da Cantora Deborah Blando sobre a Rainha do mar:

Bibliografia:

http://silnunesprof.blogspot.com/2010/02/iemanja-rainha-do-mar.html
http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/fevereiro/dia-de-iemanja-7.php
Anúncios

Ações

Information

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




%d blogueiros gostam disto: